No restaurante “O Paparico” a arte é sensual, romântica e inspiradora, onde podemos saborear os paladares tradicionais integrados numa cozinha contemporânea, elevada a um dos seus expoentes máximos. Um verdadeiro despertar dos sentidos

Inserido num cenário marcante de um poderoso filme, aqui tudo tem uma razão de ser. Não existem adereços ao acaso, sem justificação. Cada ator tem os seus papéis bem estudados, movimentando-se na sala de uma forma simples, com conhecimento profundo do papel que desempenha, de forma convincente, elegante e altamente profissional.

A mise en place é cativante, simples, surpreendente e espectante. Um generoso envelope com um abre-cartas personalizado disposto em cada lugar, espera pela abertura, revelando o que nos pode agradavelmente surpreender. Ficamos com a certeza de que seguramente será uma experiência inesquecível.

Da cozinha saem sequencialmente as criações conforme o guião definido pelos argumentistas (equipa de cozinha liderada pelo chef Rui Martins), que o realizador (Sérgio Cambas) se encarrega, dando instruções precisas para o assistênte de realização (António Lopes como chef de sala) fazer cumprir rigorosamente o que está estipulado.

Os vinhos singulares têm uma razão de ser: clara e objetivamente devem harmonizar com as criações gastronómicas, sendo tudo justificado de forma acertiva, num trabalho do escansão Abel Almeida.

Aqui temos o prazer de participar ativamente num papel que sempre desejámos, contracenando com grandes profissionais de uma forma descomprometida, mas segura.

Um projeto de Sérgio Cambas com uma equipa verdadeiramente arrebatadora.

Considero seguramente o melhor filme enogastronómico, realista e a 6D com diversas nomeações, no qual tive a oportunidade de participar.

Uma experiência sensorial imperdível que precisa de reserva com bastante antecedência.

Uma grande referência enogastronómica internacional  realizada em Portugal, na cidade do Porto.

Telef: +351 225400548    
Telem: +351 937959714
Morada: Rua de Costa Cabral 2343; 4200 Porto
Aberto para jantares de Terça-feira a Sábado das 19h30 às 23h00

Texto de Mário Rodrigues
Edição de Rita Lisboa