Vinhos da Região de Lisboa com selos de garantia mais baratos

publicado em: Notícias | 0

Os produtores de vinho da Região de Lisboa vão poder colocar os seus vinhos no mercado com menos 15% dos custos que tiveram na compra dos selos de garantia em 2016, anunciou a Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa (CVR Lisboa)

vinhas região de lisboa

Esta medida, segundo aquela Comissão, vem no seguimento do recorde alcançado em 2016, com 36 milhões de garrafas (equivalentes) certificadas, o que corresponde a um aumento de 13% na certificação face ao ano anterior, e tem como objetivo o aumento de 10% em 2017.

“Pretendemos ao mesmo tempo incentivar o crescimento dos vinhos com DOC (Denominação de Origem Controlada), pois baixámos também as taxas e o custo dos selos desses Vinhos DOC.”, afirma Vasco d’Avillez, presidente da CVR Lisboa.

Com o maior orçamento de sempre, a CVR Lisboa investe mais de €1 milhão em promoção e divulgação dos produtos vínicos da Região, para incrementar o reconhecimento dos Vinhos de Lisboa junto dos consumidores.

No mercado interno, a CVR Lisboa, que abrange 26 Câmaras Municipais, vai apostar na vertente do enoturismo, com o objetivo de aliar os seus agentes económicos com o território. Pretende, ainda, relançar as rotas dos Vinhos de Lisboa e abrir a primeira Loja dos vinhos de Lisboa, no Mercado da Ribeira, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa.

“Estamos muito satisfeitos com o esforço dos nossos produtores para a melhoria constante da qualidade dos seus vinhos. 2017 será muito promissor, tanto em promoção, como em termos de certificação, pelo que esperamos crescer cerca de 10% face ao recorde já alcançado este ano.”, salienta Vasco d’Avillez.

Ao nível internacional, a Região de Lisboa vai continuar a apostar nos mercados estratégicos, nomeadamente, os EUA, o Brasil, o Canadá e a China.

Recorde-se que a CVR Lisboa integra o ‘Projeto Estratégico de Apoio à Fileira do Vinho na Região do Centro’, trabalhando em conjunto com as restantes Comissões Vitivinícolas situadas no Centro de Portugal, através dos fundos do “Centro 2020”.

Goste / Partilhe este artigo: