Quinta de Foz Torto apresenta tintos da colheita de 2014

publicado em: Notícias | 0

Seis anos após a estreia, Foz Torto apresenta dois tintos da vindima de 2014, elegantes e expressivos, a confirmar que os vinhos desta quinta junto ao Pinhão merecem estar entre os grandes do Douro

sandra-tavares-da-silva-abilio-tavares-da-silva

O propósito foi assumido desde o início por Abílio Tavares da Silva, promotor do projeto Foz Torto: fazer vinhos de qualidade superior e que integram o respeito pela natureza e saber humano. Trabalho de maratona, reconhece o promotor, a afirmação da marca faz-se pela consistência e atenção ao detalhe, da vinha, à vindima e adega.

É essa a história destes vinhos Foz Torto, oriundos da quinta de 14 hectares com igual nome, situada no coração da Região Demarcada do Douro, perto do Pinhão e na confluência dos rios Torto e Douro.

Quatro edições no mercado, o reconhecimento do consumidor e de especialistas ganha eco. Entre os topos de gama melhor classificados (17,5 pontos) na última prova de tintos do Douro da Revista de Vinhos, o Foz Torto Vinhas Velhas 2013 é disso exemplo.

Com assinatura de Sandra Tavares da Silva, enóloga de percurso reconhecido, os dois tintos Foz Torto apresentam-se concentrados na cor e nos aromas de fruta fresca e são elegantes, equilibrados e expressivos, na linha dominante dos topos de gama dos tintos do Douro, embora sem perder apontamentos de originalidade.

Estes tintos estagiaram em barricas, novas e/ou de segundo ano, durante 16 e 18 meses, no caso do Vinhas Velhas, vinho produzido com mistura de castas indígenas do Douro, colhidas em vinha com cerca de 60 anos.

Produção de baixo volume, os vinhos Foz Torto esgotam em poucos meses. De 2014, são oito mil garrafas, apenas dos dois tintos da marca, dado que chuvas fortes de junho de 2015 destruíram 80 por cento da cultura na vinha velha de castas de branco que Foz Torto possui em Murça.

O projeto Foz Torto inclui a vertente de enoturismo, estando previsto, no futuro, a recuperação da ruína existente na quinta e a construção de uma unidade de alojamento turístico. Por enquanto, estão disponíveis visitas à quinta, com prova de vinhos na adega, localizada no Pinhão, acompanhadas pelo próprio produtor, Abílio Tavares da Silva, um apaixonado pelo Douro e pelo projeto Foz Torto.  Além da visita à quinta e degustação de vinhos, é também possível almoçar na vinha, junto a oliveiras. Em formato de piquenique, este programa mais é promovido pelo alltodouro.com.

Goste / Partilhe este artigo: