Estudo “O Emprego Atípico no Mundo”

publicado em: Notícias | 0

Política de Recursos Humanos da Mercadona destacada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) no seu estudo “O Emprego Atípico no Mundo”, tendo a empresa sido distinguida pela forma como gere os seus colaboradores, que é chave na sua estratégia de competitividade

Interior loja Mercadona

A aposta da Mercadona no emprego estável e de qualidade, assim como o esforço que aplica na formação dos colaboradores, são alguns dos fatores responsáveis pelo sucesso da sua política de Recursos Humanos (RH), apontados no estudo “O emprego Atípico no Mundo”, da OIT. A isto soma-se a repartição de benefícios que a empresa realiza anualmente com os seus colaboradores (25% do total), bem como as oportunidades de promoção e desenvolvimento profissional que oferece.

Para a OIT, num país como Espanha, no qual os contratos estáveis e indefinidos são “endémicos”, é paradoxal que praticamente a totalidade dos 76.000 colaboradores da Mercadona sejam efetivos.

O relatório indica que, graças à formação, estabilidade e desenvolvimento profissional, se potencia a motivação dos colaboradores e multiplica-se o rendimento dos mesmos. Tudo isto se traduz num “claro crescimento das vendas por colaborador e numa produtividade muito mais elevada do que a concorrência”.

Num vídeo sobre a Mercadona, a OIT salienta o impacto favorável da aposta na estabilidade, na conciliação da vida pessoal e profissional, a formação, a promoção ou a repartição de benefícios teve e tem na evolução da empresa e na sua consolidação enquanto empresa líder no seu sector. De igual forma, explica outro fator diferencial da sua política de RH: uma política de diálogo e transparência que conta com o envolvimento de sindicatos e que, segundo a OIT, “é um diálogo e gera confiança que permite colaborar para alcançar resultados que beneficiem todas as partes”.

“A Mercadona está muito orgulhosa do reconhecimento que recebe por parte da sociedade. A empresa, fiel ao seu Modelo de Qualidade Total, baseia todas as suas decisões com a ideia de que, ao satisfazer “O Chefe” (como internamente chama ao cliente), alcançam-se as vendas; com elas, os benefícios; e a partir daí, o crescimento partilhado, contribuindo para o bem-estar da sociedade.”

Goste / Partilhe este artigo: